domingo, 25 de junho de 2017

terça-feira, 3 de janeiro de 2017


Ó DEMO, VAI-TE EMBORA! T’ARRENEGO SATANÁS!
Vivemos num país espetacular, vejam os dias bonitos que têm estado de há mais de uma semana, mas no qual acontecem coisas extraordinárias e mesmo estranhas, de tal sorte que não compreendo porque faliu o “jornal do incrível”, é que quando julgamos que já vimos tudo, alguém trata de arranjar algo que nos deixa mais surpreendidos que antes.
Às terras da Beira Alta e Trás os Montes, chamava Aquilino Ribeiro “as terras do demo”, mas quem sabe hoje quem foi Aquilino Ribeiro?
Somos governados por uma “geringonça” que bem podia ser “a passarola”, de Frei Bartolomeu de Gusmão, mas também quem sabe atualmente quem foi Bartolomeu de Gusmão ou se interessa pelo que fez este azarado padre?
Do outro lado, o líder da oposição anuncia a iminente chegada do demo, como se o que todos nós precisássemos era de nos infernizarem ainda mais a vida…

Por estas menos que por outras, o primeiro texto redigido numa língua à qual já se pode chamar português, foi precisamente “notícias do torto”, “torto” era como se chamava naquele tempo ao Direito que provavelmente já andava tão torto como agora.
Vida, cada um sabe da sua e deus de todos, reza um rifão popular, ou na variante, cada um por si, deus por todos. Nunca gostei nem de uma nem de outra variante, sempre me considerei pessoa solidária, mas também já precisei da solidariedade alheia e isto sem termos que enfiar o nariz na vida alheia.
Este ano, 2016, está a poucas horas de terminar. 2017 já está à porta. Não costumo dar demasiada importância a estas festividades, mas retenho no ADN as possibilidades de renovação, de mudança, de reforçar a esperança, ou a fé de quem a tem.
Como sabem aqueles que de há mais tempo aqui me acompanham, 2016 foi para mim como uma besta negra, uma carga de desgraças, tendo a pior sido a grave doença de que padeci (esgotamento cerebral, para evitar especulações). Mas as doenças se não são fatais, com drogas, curam-se ou pelo menos melhoram, que é o caso.
Relembrou-me um colega e excelente amigo que um dia na escola, uma colega chamava-me a atenção para um erro ortográfico que eu havia praticado em sede de ata da reunião. Terei respondido “não faz mal, estes corrigem-se, os de caráter é que não”.
Adeus 2016, ó vai-te embora. Deste ano fico com as tristezas e as mágoas. Se as primeiras são conversíveis em alegrias, logo se vê, mas das segundas, indeléveis, permanecem as marcas.
Um excelente ano de 2017 a tod@s!
Adeus 2016, ó vai-te embora. Deste ano fico com as tristezas e as mágoas. Se as primeiras são convertíveis em alegrias, logo se vê, mas das segundas, indeléveis, permanecem as marcas.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Deitar fora o bebé com a água do banho




Deitar fora o bebé com a água do banho

O LIVRE considera que a reprovação dos projectos de lei que previam a adopção plena por casais do mesmo sexo faz parte do problema e não da solução para que a sociedade portuguesa seja mais justa e digna.

Ao passo que a esquerda parlamentar se uniu para resolver uma situação que se arrasta e atrasa, união na qual o LIVRE se reconhece e regozija, o PSD e o CDS-PP optaram por intensificar uma realidade que interfere negativamente com a cidadania, a família e o superior interesse da criança, institucionalizada ou não.

Os argumentos que sustentam esta posição desfavorável são afinal falaciosos, uma vez que se baseiam em premissas de ordem natural, biológica, e ficcional, resultado da conservação da ideia rígida de uma família-tipo imaginada, que suplanta a diferença e a liberdade alheias. Ademais, esta mesma posição reforça uma dupla instância de âmbito homofóbico, encetada na ideia de que uma criança não pode por princípio ser adoptada por parentes do mesmo sexo que reúnam as condições para a receber, e terminada na assumpção de que o lar de uma criança só lhe é favorável enquanto for normativo, ou seja, heterossexual.

O voto contrário a estes projectos de lei vem repousar portanto sobre o compromisso da irresponsabilidade: pelo não reconhecimento de crianças cuja homo-parentalidade fazendo hoje ou amanhã parte dos seus dias não é reconhecida institucionalmente; e pela legitimação de casamentos de segunda categoria, aos quais é legalmente vedada a escolha da parentalidade.

O LIVRE vem realçar por último que nenhuma agenda partidária ou referendária se pode sobrepor a uma questão afecta aos Direitos Humanos, pelo que firmemente se mobiliza e mobilizará para fazer parte da solução.
Atenção: está a receber esta mensagem porque se pré-filiou como apoiante do LIVRE. A filiação só será efetiva quando nos enviar o formulário de filiação devidamente preenchido. Mais informação sobre como o fazer, disponível em http://livrept.net/participar.

Contamos consigo para fazer do LIVRE um partido cada vez mais forte!

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Plataforma Cidadã / Tempo de Avançar

Caro/a subscritor/a:

pode efetuar a sua inscrição para participar na Convenção da Candidatura Cidadã Tempo de Avançar, a realizar no dia 31 de janeiro de 2015, no Fórum Lisboa, em Lisboa (metro: Roma).

Para assegurarmos o bom acolhimento de todos os participantes e tendo em conta o espaço disponível, a participação na Convenção está sujeita a inscrição prévia, reservada aos subscritores, a qual pode ser feita desde já através do preenchimento do formulário no sítio da Candidatura Cidadã Tempo de Avançar**.

A Convenção terá início à 9:00 horas e conclusão prevista para as 19:00 horas. Para os subscritores da convocatória da Convenção que não consigam fazer a inscrição prévia através da Internet, como é recomendável, haverá ainda a possibilidade de se registarem como participantes no próprio Fórum Lisboa até às 11 horas da manhã.

Organizamos também um jantar-convívio e de angariação de fundos para a candidatura, que terá lugar no dia 31 num restaurante próximo ao Fórum Lisboa. Se desejar participar, preencha por favor este formulário de inscrição. O jantar tem um custo de 17,5€ e é aberto a todos e todas que desejem estar presentes e contribuir.

Recordamos que a Convenção tem como finalidade a constituição de um movimento político de cidadãos para a apresentação de “uma candidatura cidadã às próximas eleições legislativas, através de um processo de construção de listas aberto, em eleições primárias” e para a preparação de “um programa eleitoral num processo de debate público, transparente e informado”.
Para concretizar estes objetivos, a Convenção deverá aprovar o seu próprio regimento e debater e deliberar sobre as linhas programáticas, o documento de orientação política, o modelo de organização, o regulamento das primárias abertas e eleger o órgão responsável pelo movimento.

Os projetos dos vários documentos serão divulgados no sítio do Tempo de Avançar a partir do início da próxima semana. Convidamos a que esteja atento e que os consulte a partir dessa altura.

Contamos com a sua presença!

Pedimos-lhe também a sua colaboração para divulgar a abertura de inscrições para a participação nesta Convenção, convidando todos os que se revejam nos seus objetivos a participar no dia 31 de janeiro.

É Tempo de Avançar, com a sua participação!


** Caso não tenha correio eletrónico pessoal, sugerimos que utilize o
correio eletrónico de algum familiar ou amigo que possa servir de contacto.
Copyright © 2015 Tempo de Avançar, Todos os direitos reservados.
Recebeu este email porque subscreveu a convocatória TEMPO DE AVANÇAR.

Direção:
Tempo de Avançar
Lisboa
Lisboa 1150
Portugal

Add us to your address book


Cancelar a subscrição do Tempo de Avançar    Atualizar os dados de contacto

Black Block

Black Block. Proyección del documental

***viernes 23 enero 2015, 19:30h.***

Carlo A. Bachschmidt (Italia, 2011) 77 minutos

La obra parte de imágenes reales de las movilizaciones durante la cumbre del G-8 en Génova en 2001 y, particularmente, de algunos testimonios representativos de personas que sobrevivieron al asalto de... la Díaz, una escuela cedida por el municipio de Génova al Foro Social organizador para que albergara manifestantes. Muli, Lena, Neils, Mina, Michael, Daniel y Chabi, lanzan entre recuerdos un mensaje de denuncia sobre la instrumentalización de la violencia y el uso de la tortura moderna.

más info: http://www.rebeldemule.org/foro/documental/tema10216.html

en LaMalatesta, c/Jesús y María, 24 de Madrid
Tirso de Molina o Lavapiés

Avaaz

                                                                                                                                                                       Caros amigos,



O governo dos EUA está tentando impedir que a Índia produza medicamentos baratos para quem mais precisa: os mais pobres. Mas Obama fará uma visita à Índia em poucos dias e podemos convencê-lo a recuperar a esperança para milhões de pacientes cujas vidas estão em risco. Clique para participar!

assine a peticao
Uma visita do presidente Obama na Índia, daqui a alguns dias, pode definir a vida ou morte para milhões de pessoas na Ásia, África e América Latina. E se agirmos rápido, podemos garantir que essas pessoas continuarão a ter acesso aos medicamentos que tanto precisam.

A Índia produz medicamentos baratos contra o HIV, malária e drogas contra o câncer. Mas a indústria farmacêutica quer impedir essa produção para vender mais de seus próprios produtos a preços mais altos. O lobby dessa indústria forçou o governo dos EUA a ser duro com a Índia, inclusive com ameaças de sanções comerciais se os indianos não mudarem as leis de patentes que atualmente priorizam as pessoas antes dos lucros. Agora a pressão está aumentando já que negociações de um novo tratado de comércio entre os dois países estão prestes a começar.

Antes que Obama pegue seu voo, vamos juntar 1 milhão de assinaturas em apoio ao papel orgulhoso exercido pela Índia – o de farmácia mundial para os mais pobres do mundo. Depois, vamos fazer deste caso uma grande história na imprensa mundial enquanto Obama estiver no país e entregar as assinaturas com nossa própria proposta do acordo comercial desenvolvida por especialistas e que visa proteger os medicamentos. Assine agora:

https://secure.avaaz.org/po/save_cheap_medicines_loc_/?bHMnmdb&v=51959

Os gigantes da indústria farmacêutica dizem que as leis de patentes da Índia permitem que empresas indianas cobrem menos do que outras, desencorajando investimentos da indústria em novos medicamentos. Mas sabemos que as grandes empresas de medicamentos priorizam as pesquisas de remédios para os ricos, não para os pobres e, com frequência, vendem os remédios a preços exorbitantes – uma nova droga para o tratamento da Hepatite C está custando U$1000 por comprimido!

Em um café da manhã na Casa Branca em outubro passado, o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, pediu aos diretores de empresas da indústria farmacêutica presentes que investissem em medicamentos baratos, ao invés de usarem artimanhas jurídicas para lucrar até a última gota de suas próprias patentes. Ao mesmo tempo, ele aceitou a criação de um fórum Índia-EUA para discutir as patentes de medicamentos, e a publicação do rascunho de uma nova lei com concessões para incentivar o investimento de empresas farmacêuticas americanas.

Obama enfrentou com coragem as duras críticas à sua proposta de melhorar o sistema de saúde dos EUA. Por isso, antes que ele viaje para a Índia, vamos fazer deste o momento em que EUA e Índia, e outros governos, entrem em um acordo para priorizar os pacientes antes dos lucros. Coloque seu nome agora:

https://secure.avaaz.org/po/save_cheap_medicines_loc_/?bHMnmdb&v=51959

Quando uma empresa de medicamentos da Suíça processou o governo da Índia por causa de medicamentos com preço acessível para pacientes de câncer, 50 mil membros da Avaaz na Índia e na Suíça se uniram para denunciar a situação e a empresa perdeu o processo. Agora o maior produtor de remédios baratos do mundo está sob ameaça novamente e chegou a hora de nos unirmos outra vez.

Com esperança e determinação,

Alex, Bert, Laila, Ricken, Emma, Diego e toda a equipe da Avaaz


MAIS INFORMAÇÕES

Deixe a Índia fazer remédios baratos (em inglês) (Business Standard)
http://www.business-standard.com/article/international/let-india-make-cheap-drugs-114121300576_1.html

Painel Índia-EUA: acesso a medicamentos pode estar ameaçado (em inglês) (Deccan Herald)
http://www.deccanherald.com/content/450341/india-us-panel-access-medicines.html

Visita do primeiro-ministro aos EUA: Diplomacia de Narendra Modi deve alimentar caixa registradora em breve (em inglês) (Economic Times)
http://articles.economictimes.indiatimes.com/2014-10-01/news/54516935_1_ajay-banga-ceos-global-investment-radar

Ebola na África Ocidental é um chamado de alerta (em inglês) (Al Jazeera)
http://www.aljazeera.com/indepth/opinion/2014/11/ebola-west-africa-wake-up-call-2014112125429230915.html

Gigante farmacêutica perde batalha por patente de remédio na Índia (G1)
http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2013/04/gigante-farmaceutica-perde-batalha-por-patente-de-remedio-na-india.html


Apoie a comunidade da Avaaz!
Nós somos totalmente sustentados por doações de indivíduos, não aceitamos financiamento de governos ou empresas. Nossa equipe dedicada garante que até as menores doações sejam bem aproveitadas: Doe Agora




A Avaaz é uma rede de campanhas global de 40 milhões de pessoas que se mobiliza para garantir que os valores e visões da sociedade civil global influenciem questões políticas nacionais e internacionais. ("Avaaz" significa "voz" e "canção" em várias línguas). Membros da Avaaz vivem em todos os países do planeta e a nossa equipe está espalhada em 18 países de 6 continentes, operando em 17 línguas. Saiba mais sobre as nossas campanhas aqui, nos siga no Facebook ou Twitter.

Você está recebendo essa mensagem porque assinou a campanha "" no dia 2012-07-07 usando o seguinte endereço de email: jaime.crespo1963@gmail.com.
Para garantir que as mensagens da Avaaz cheguem à sua caixa de entrada, por favor adicione avaaz@avaaz.org à sua lista de contatos. Para mudar o seu endereço de email, opções de idioma ou outras informações pessoais, entre em contato conosco, ou clique aqui para descadastrar-se.


Para entrar em contato com a Avaaz, não responda este email, escreva para nós no link www.avaaz.org/po/contact.